Passar para o Conteúdo Principal
Hoje
Máx C
Mín C
siga-nos

O mundo rural está “in” mas é preciso simplificar

Mundorural 1 720 2500

Encontrar sustentabilidade para um projeto de vida no mundo rural está na moda, “é in” e faz todo o sentido, na óptica do presidente da Câmara de Vinhais, Américo Pereira, que aponta o caso do Fumeiro de Vinhais como exemplo de sucesso e dinamização da economia local. No entanto, refere o edil, “até mais do que subsídios, o que é preciso é desburocratizar, simplificar os processos de quem aqui criar o seu negócio, quer comercializar produtos”.
Esta é uma luta que o autarca trava há já alguns anos, tendo sistematicamente insistido junto dos titulares do Ministério da Agricultura, na importância de pequenos produtores locais poderem vender o que produzem, nas actividades que não gerando economias de massa são de extrema importância para dinamizar a economia local, são geradoras de receitas, contribuem para a geração de riqueza e, consequentemente, para que projetos ligados à agricultura ou ao setor agroalimentar possam ter sustentabilidade no mundo rural.


Américo Pereira aponta como exemplo o Fumeiro de Vinhais, e a própria feira, tendo lutando durante anos para que para além do fumeiro, certificado, os pequenos produtores também pudessem vender as casulas, os frutos secos, os alhos e as cebolas, os doces e os folares e tantos outros produtos que fazem parte da cultura local, que caracterizam e diferenciam o território. O autarca estima que a partir da Feira do Fumeiro se gere um volume de negócios neste território de seis milhões de euros. O diretor regional de Agricultura e Pescas, Manuel Cardoso, presente na inauguração da Feira do Fumeiro de Vinhais, concordou “em tudo” com a visão apresentada pelo edil e reforçou que o volume de negócios gerado em torno do Fumeiro é muito superior às estimativas da autarquia: “Estamos neste momento a fazer um estudo concreto sobre a ‘pegada’ do fumeiro de Vinhais e acreditamos que a receita que gera, com todas as atividades que a partir daqui se desenvolvem, é muito superior a seis milhões de euros”, disse. “Estou convencido que se não existisse a Feira do Fumeiro de Vinhais e toda a dinâmica económica que ela gera, teríamos um buraco negro neste território”, acrescentou. Manuel Cardoso concorda que é preciso combater a burocracia e facilitar o caminho de quem tem a coragem de apostar no mundo rural, apontando como exemplo do que tem vindo a ser feito o “decreto que facilita a comercialização dos produtos locais”.


Pela importância dada a estes assuntos, ao trabalho que nos últimos 20 anos tem vindo a ser desenvolvido em Vinhais, a própria Ministra da Agricultura, se associa ao evento, marcando presença no sábado na Feira do Fumeiro.